sexta-feira, 25 de junho de 2010

Moura – Deserto de Tabernas










1ª Parte


Aproveitando a “ponte” do primeiro feriado de Junho lá aproveitei 4 dias para ir conhecer umas belezas naturais que afinal ficam aqui tão perto.


A viagem não começou propriamente com o pé direito, uma vez que a partida estava prevista para o dia 2, 4ªF., a meio da tarde para ir dormir entre Sevilha e Granada, mas devido à saída tardia do trabalho não foi possível, mas ficou logo combinado que a partida seria no dia seguinte pelas 6:00h.


Assim foi! A viagem até passar Sevilha não teve grande novidade e foi feita sempre a rolar. A primeira paragem foi em Antequera, uma vez que um dos tracks que tínhamos previsto passava perto.


Acabámos por ir até Salar e seguimos o trajecto, mas o mesmo já tinha algumas alterações devido a obras nas estradas da zona o que nos provocou alguns enganos.


Acabámos por fazer um almoço rolante em El Turro e como não estávamos muito satisfeitos com o track e com a paisagem, pois não nos trazia nada de novo, era muito do que temos na nossa zona: Olival (certas zonas parecia que estávamos na Herdade dos Machados!!), decidimos seguir por alcatrão até Guadix… Como ainda era relativamente cedo decidimos ir até à zona de Tabernas e tentar pela zona algum campismo… Como ainda era cedo e como tínhamos referência de um campismo perto de Almeria lá fomos…


È o que dá sair de casa às 6 da matina e com vontade de andar de moto, fizemos mais de 650 km e fomos dormir ao campismo programado para o 3º dia.


Chegados ao campismo (www.lagarrofa.com) lá descarregámos as “burras” e montámos as tendas. Banho tomado, jantar, 2º dia planeado e toca a descansar que o dia já ia longo.


2ª Parte


O “esticão” do primeiro dia teve a vantagem de nos permitir deixar parte da bagagem no parque de campismo e levar apenas para este 2º dia alguma comida, ferramentas e câmaras de ar.


No dia anterior ficou delineado que durante a manhã iríamos explorar os arredores de Tabernas, incluindo uns tracks que já levávamos da zona e que incluíam a “Ruta del Desierto” que fizemos em grande parte e que nos proporcionou belíssimas paisagens (e fotos!).


No final da manhã, e com o objectivo de almoçar cerca das 14h, iniciámos outro track que atravessa a Serra de Alhamilla (http://es.wikipedia.org/wiki/Sierra_Alhamilla), entre Tabernas e Nijar, que nos proporciona duas vistas bastante distintas. De um lado a imensidão do Deserto de Tabernas e toda a sua beleza e do outro o “mar” de estufas a norte de Almeria.


Seguiu-se o almoço em Nijar onde passámos também parte da hora de maior calor até rumarmos em direcção a Las Negras, na costa mediterrânea, e descemos o mais possível junto ao mar até ao Cabo de Gata.


Daqui foi já o regresso ao campismo, com um dia cheio de belas paisagens em duas rodas. Do melhor!


Como o escritor é fraco e o tempo também tem sido pouco, deixo umas fotos que mostram parcialmente a beleza “in loco” dos locais.


Mais fotos aqui:

http://casaldequarta.multiply.com/photos/album/12/Tabernas_2010


Continua.

segunda-feira, 14 de junho de 2010

Estoril-Portimão-Marrakech

Pódio nas motos totalmente ocupado por Portugueses

Hélder Rodrigues (Yamaha) acabou mesmo por confirmar a sua condição de favorito à vitória na estreia do Rally TT Vodafone Estoril-Portimão-Marrakech, sobretudo após a ausência (forçada) de Cyril Despres. Ainda assim, o piloto português teve que contar com forte resposta por parte dos compatriotas Ruben Faria (KTM) e Paulo Gonçalves (BMW), bem como de David Casteu (Sherco) e Frans Verhoeven (BMW).


Com Luís Correia (Yamaha) a cotar-se como o primeiro comandante da prova do Automóvel Club de Portugal, Rodrigues acendeu à liderança na etapa seguinte e apenas perdeu a posição para Casteu na sexta etapa (Merija), a primeira em Marrocos. No entanto, no dia seguinte, tudo regressou à normalidade, com o piloto da Yamaha a não mais largar a liderança até à chegada da caravana a Marrakech, este domingo.

“Estou muito contente com este resultado. A prova não foi nada fácil, exigente do ponto de vista da navegação, mas não tive muitos problemas mecânicos e fisicamente também aguentei bem o muito calor que se fez sentir em Marrocos, sobretudo. Penso que esta prova tem um grande futuro para as Motos”, confessou.

Ideia partilhada por Ruben Faria, segundo classificado e primeiro da classe (450+). O piloto algarvio partia para ajudar Cyril Despres a vencer, mas a ausência do francês deu-lhe outra responsabilidade. “Face ao que estava delineado, este segundo lugar foi muito bom e o Cyril ligou a dar-me os parabéns. Houve muita navegação, uma prova ao estilo africana e com ares de Dakar. Seguramente, do ponto de vista das Motos, o Dakar e esta prova são as melhores. A organização esteve em excelente nível do ponto de vista de indicações, bivouacs, road books e escolha de especiais”, lembrou.

A completar o pódio, Paulo “Speedy” Gonçalves teve uma prova em crescendo, com um início comprometedor para as suas ambições, quando um problema mecânico lhe valeu perder 26m na etapa inaugural. Daí para cá, o piloto da BMW foi sempre um dos mais rápidos, venceu uma etapa (Er Rachidia) e ganhou posições até se fixar no terceiro lugar, mas com Casteu sempre por perto.“Foi bastante bom. Comecei com um atraso, mas depois reagi bem e terminar no pódio é muito positivo. Este rali é muito interessante, tem tudo para ser uma de duas grandes provas para as Motos no calendário”.

A completar o Top 5, Casteu e Verhoeven acabaram por não ter argumentos para se impor à “armada” portuguesa, ainda que o francês tenha passado pela liderança e apresentasse uma excelente navegação e uma Sherco sem problemas. No entanto, Casteu atrasou-se na segunda etapa em Marrocos (Er Rachidia) e não mais conseguiu recuperar, perdendo mais tempo nos dias seguintes até se fixar em quarto, tentando um derradeiro forcing para se chegar a Gonçalves.

Quanto ao holandês, o piloto da BMW esteve também em bom plano, sobretudo na navegação, mas Verhoeven nunca se conseguiu verdadeiramente aproximar de Rodrigues e companhia de forma ameaçadora para tentar um brilharete em África. Destaque igualmente para as prestações de Luís Correia (9º) e Mário Patrão (Suzuki), este último a terminar atrás de Verhoeven.

CLASSIFICAÇÃO FINAL

Pos. Piloto Moto Tempo

1º Hélder Rodrigues Yamaha 23h01m13s

2º Ruben Faria KTM a 7m22s

3º Paulo Gonçalves BMW a 31m33s

4º David Casteu Sherco a 32m14s

5º Frans Verhoeven BMW a 1h42m01s

Fonte: estorilportimaomarrakech.com

sexta-feira, 11 de junho de 2010

quarta-feira, 9 de junho de 2010

De Regresso

Com a memória cheia de boas paisagens.


Tenho que arranjar um tempo para um relato mais pormenorizado, não está fácil.


Deixo algumas fotos de uma viagem de extremos:


Deserto


Mar


Neve

terça-feira, 1 de junho de 2010

3, 2, 1… Tabernas


Amanhã arranco para o Deserto de Tabernas

Com passagem TT pela zona de Granada e Serra Nevada

Até já.