segunda-feira, 18 de setembro de 2017

Marrocos 2016 – IV







O dia de viagem de Marrakech a Casablanca já previa chuva e assim aconteceu. Chuva e autoestrada, autoestrada e chuva…Detesto andar com chuva! A chegada a Casablanca, sem GPS e numa metrópole com 5,5 milhões de habitantes foi às apalpadelas. Tomámos o caminho do centro e depois lá houve um polícia que por fim nos indicou o caminho certo para o hotel.

Casablanca confirmou o que já suspeitava, uma cidade grande, com prédios grandes, muitos deles degradados, e pouco mais para ver do que a grande mesquita. Acabámos por jantar na zona da praça das nações unidas, onde ainda comemos umas caracoletas e visitámos uma espécie de zona de lojas com mercado ao ar livre misturado, mas sem grande interesse. Muito diferente de Marrakech.

A saída de Casablanca também não foi das mais fáceis, mas lá nos indicaram o caminho até entrar na autoestrada, onde pois claro apanhámos chuva, e até chegámos a Azilah com uns raios de sol a dar-nos as boas vindas. Azilah já foi uma cidade portuguesa e tem um forte e zona amuralhada por acaso muito bonita e bem conservada. Recomendo a visita.

O final deste dia foi num alojamento já perto de Tanger Med, para no outro dia apanharmos, ainda de noite, o primeiro barco em direção a Algeciras. A partir dai foi fazer 400km até Moura e agradecer por tudo ter corrido bem com esperança de voltar mais uma vez a este magnifico pais.

quarta-feira, 13 de setembro de 2017

Around the world by motorbike in 1932

Hoje em dia dar a volta ao mundo em moto é considerada uma aventura, agora imagine-se em 1932, sem infraestruturas, sem telefones e com partes do mapa ainda marcadas como "não percorridas", "desconhecido".

Épico!





In 1932, 23-year-old Robert Fulton Jnr set off on a 40,000-mile solo motorcyle trek from London to Japan. His incredible footage of the journey is one of a selection of films being show at The Adventure Travel Film Festival (17-20 Aug). It captures a Middle East still under British rule, India under the Raj and pre-communist China, all before the days of telephones, proper infrastructure or mass tourism – and when some parts of his map were still marked 'unsurveyed, unknown' 




terça-feira, 12 de setembro de 2017

VENDIDA - Yamaha RZ 50 – Peças

Quadro (sem docs)

Rodas completas com disco, cremalheira e tambor

Suspensão dianteira completa e com guiador


Para desocupar!!






quinta-feira, 7 de setembro de 2017

OUT OFF The Box

De Moura, Portugal, a Baucau, em Timor-Leste. A viagem de uma vida!

Uma aventura com passagem pela Europa, Turquia, Irão, India, Myanmar, Tailandia, Indonésia até chegar ao destino, do outro lado do mundo.

A moto escolhida foi uma BMW R 850 GS, de 1999, por isso já maior de idade, preparada para esta aventura e, espera-se, para muitas mais

Como tenho a sorte de o António Miguel ser meu amigo, acompanhei a sua partida de Moura e a viagem até Avis, e no Domingo passado a sua partida de Avis no final do Traveller’s Event.

Neste momento que escrevo já está na Suíça, com o visto para Myanmar no passaporte, e tem corrido tudo bem.

Espero que lhe corra tudo pelo melhor, que realize o sonho, e cá o espero para ouvir as histórias com que ficará para contar.

Para seguir aqui:











segunda-feira, 28 de agosto de 2017

Marrocos 2016 – III

Saída de Merzouga de manhã cedo pelo caminho direto a Erfoud. Manhã a fazer quilómetros e a contemplar a paisagem. O almoço foi num restaurante junto da estrada, onde comemos umas costeletas de borrego grelhadas para ganhar forças para ir até às gargantas do Todra. Mesmo numa segunda visita a paisagem impressiona pela grandeza destas escarpas.

Siga viagem para uma cafezinho em Tinherir e começámos a subir o Dadés até ao nosso alojamento situado em pleno vale, muito acolhedor, embora sem grandes luxos.

A manhã seguinte foi feita a explorar o restante vale do Dadés e também o vale das rosas, embora a única rosa que tenhamos visto foi pintada numa parede.

Almoço e passagem por Ouazarzate onde visitámos um dos estúdios de cinema, mas a coisa está um bocado decadente e é mesmo só pela gracinha.

Lá seguimos caminho até Ait Ben Haddou onde iriamos jantar e pernoitar. Em comparação com 2011, a última vez que aqui tinha estado, achei a zona histórica bastante degradada, com paredes caídas, muito lixo espalhado, e um aspeto pouco atrativo. Acho que um património da humanidade merece mais cuidado e proteção.

Manhã de seguir viagem até Marrakech, com passagem pelo Col du Tichka, zona que se encontra em obras e em breve vais ter uma estrada mais segura, uma vez que segundo dizem é uma das estradas onde ocorrem mais acidentes em Marrocos.

A nossa estadia em Marrakech foi de 2 noites pois a cidade merece mais tempo pelos encantos que tem. Praça Djema El Fna, Koutoubia, Palacio El Badi Souk, Palácio Baiha, Madrassa Ben Youssef, os 1001 recantos... um mundo…

Continua… 










quinta-feira, 24 de agosto de 2017

segunda-feira, 17 de julho de 2017

Daqui Ali


Participei no crowdfunding deste projeto e apesar da espera pelo livro valeu a pena!

Esta viagem é uma pura aventura, com todos os ingredientes que tem pedalar de Portugal à Africa do Sul sentado numa bicicleta.

A parte da vivencia dos lugares e das pessoas está muito bem escrita e leva-nos realmente a viajar com ele, como eu gosto nos livros de viagens, apenas me perdendo um pouco nos textos filosófico/psicologigos. No geral gostei e recomendo. Nota 8,5 em 10.

Deixo o trailer:


Boas leituras!