quarta-feira, 21 de junho de 2017

quinta-feira, 11 de maio de 2017

Marrocos 2016 – II

Ao sair de Errachidia continuamos a percorrer o vale do Ziz e a contemplar o mar de palmeiras até começar a mudança para um cenário mais árido a caminho de Merzouga, com passagem por Rissani.

Merzouga é a porta de entrada no deserto e no Erg Chebbi, e conta com inúmeros marroquinos a querer indicar restaurante, alojamento, passeios 4x4 e por aí fora. Acabámos por almoçar no largo principal, à sombra, e a observar o dia-a-dia daquela pequena localidade. O “restaurante” e a sua cozinha são coisas do mais pitoresco e o choque com o padrão europeu é gritante. Comemos tajine de frango, de borrego, legumes, pão, coca-cola fresquinha e ainda fomos visitar uma loja de artesanato berbere.

O calor começou a apertar e apontámos ao Auberge du Sud para poder disfrutar a hora de maior calor na sua piscina. Depois de retemperadas as forças chegou a hora de conhecer o mar de areia mesmo a sério com um magnifico passeio de moto4, onde foi possível contemplar toda a beleza do Erg Chebbi e lá mais para o final levar com uma monumental tempestade de areia, que acabou por “só” estragar a máquina fotográfica e os intercomunicadores dos capacetes para toda a viagem.

Recuperados do susto, e depois de um bom banho, foi altura de disfrutar de um magnifico jantar proporcionado pelo albergue, seguido de música ao vivo, entre outras surpresas.

Continua…  












terça-feira, 9 de maio de 2017

quinta-feira, 20 de abril de 2017

terça-feira, 18 de abril de 2017

Marrocos 2016 – I

 Outubro de 2016 e o regresso a Marrocos. Por muita vezes que cá se venha é sempre diferente e é sempre uma grande diferença social, cultural e religiosa em relação ao nosso cantinho à beira mar plantado.

A descrição que ouvi na série “Destino Dakar” do explorador espanhol Ali Bey, de 1803 ainda hoje é válida se comparada com o sul de Marrocos:

"La sensación que experimenta el hombre que por primera vez hace esta corta travesía no puede compararse sino al efecto de un sueño. Al pasar en tan breve espacio de un tiempo
a un mundo absolutamente nuevo y sin la más remota semejanza con el que acaba de dejar,
se haya realmente transportado a otro planeta".

Ali Bey (1803)

A nossa viagem transportou-nos realmente a outro planeta, onde os mapas do gps não estão carregados, e que vais enfrentar cidades como Fez (1,2 milhões de habitantes) ou Casablanca (5,5 milhoes de habitantes)…. Tão bom!! Ainda bem que o pessoal old school leva sempre o bom e velho mapa em papel, embora aqui só dê para as estradas.

Chegada a Tetuan e pergunta aqui, pergunta ali e um simpático marroquino parado nos semáforos lá nos levou até ao hotel na sua velhinha Yamaha DT AC, e ganhou uma merecida “propine”. O hotel já estava reservado e por sinal era muito bom, mas o problema maior que encontras depois de fazer 500 km é: não há água nesta parte da cidade!!! De resto tudo ok.

2º dia de viagem e o destino era Fez, com passagem por Chefchauen. Sem grandes enganos e com a ajuda do mapa lá chegámos ao destino. Pelo caminho ainda encontrámos mais um prestável marroquino que nos deu o telefone e se ofereceu como guia em Fez por um preço que acordámos e que me pareceu justo.

Chegados a Fez lá demos com o hotel, que tinha água para um bom banho e vamos lá conhecer a labiríntica medina de fez. Liguei ao guia, que afinal não podia, mas enviou um amigo, o Adel, que foi impecável e nos levou aos curtumes, aos teares, à farmácia berbere, ao restaurante, de novo ao hotel… serviço 5 estrelas.

No 3º dia o objetivo era chegar a Errachidia, com passagem pelo alto Atlas, Ifrane, cedro Goulard, e inicio do vale do Ziz. O almoço desse dia foi épico, numa aldeia no meio de nenhures, tive a sensação de ter recuado uns 50 anos no tempo, talvez também tenha sido essa a sensação de Ali Bey em 1803.

Ainda apanhámos alguma chuva antes de chegar ao vale do Ziz, mas uma paragem estratégica numa bomba de gasolina livrou-nos de pior, foi passageira.

O alojamento em Errachidia foi razoável, mas não para 4 estrelas como estava classificado há 30 anos quando foi construído, porque desde aí a manutenção tem sido pouca. Valeu a simpatia dos funcionários e o jantar que também foi bom. Tajine Kefta, gosto!

Continua…












segunda-feira, 27 de março de 2017

MIG44 - Pé Direito...

Ehh páhh, tenho que passar mais por aqui... tenho post em atraso...

Bom fim-de-semana para o nosso MIG44, a dar início ao campeonato 2017 com um excelente 4º posto, e com uma boa amostra do que pode vir por aí. 

WE BELIEVE!



terça-feira, 31 de janeiro de 2017

PASSEIO TT - MOTO CLUBE MOURA 2017

Vou com a minha Tènéré de "Motocrosse"!!!